A mais nova edição do Boletim InfoGripe da Fiocruz, divulgada nesta quinta-feira (2/12), e referente à Semana Epidemiológica 47 (de 21 a 27 de novembro), mostra que 13 das 27 unidades federativas apresentam sinal de crescimento na tendência de longo prazo de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).

São elas: Acre, Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Pará, Rio de Janeiro, Rondônia e São Paulo. Destes, os que mais chamam a atenção são Pará, Ceará e Rio de Janeiro.

No dado nacional, embora se mostre como um crescimento leve, podendo ser compatível com cenário de oscilação em torno de valor estável, a análise por faixa etária indica se tratar de aumento em todas as faixas etárias abaixo de 60 anos. A análise foi feita tendo como base os dados inseridos no Sistema de Informação da Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe) até 22 de novembro.

De acordo com o pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe, “na população com 30 anos ou mais o crescimento é relativamente pequeno, sendo mais expressivo e presente desde novembro em crianças, adolescentes e jovens adultos (20-29 anos)”. No caso das crianças (0-9 anos), os resultados laboratoriais associados a esses casos seguem apontando predomínio de vírus sincicial respiratório (VSR), que acompanha a tendência de aumento de SRAG nessa faixa etária. No caso dos adolescentes (10-19 anos) e jovens adultos (20-29 anos), se mantém majoritariamente associados à Covid-19.

À Folha de S.Paulo, Gomes afirmou que a alta não pode ser creditada a qualquer nova variante, mas sim à baixa de guarda geral da população, que relaxou com a queda significativa de casos, internações e mortes verificada depois da vacinação em massa no país. “Há uma facilidade de transmissão, não apenas do coronavírus mas de outros vírus respiratórios, já que a exposição da população aumentou com o relaxamento de medidas de contenção do vírus”, afirmou.

 

Estados

Embora mais da metade das 27 unidades federativas apresentem sinal de crescimento na tendência de longo prazo (últimas seis semanas) até a semana 47, em parte delas o cenário de crescimento recente ainda é compatível com oscilação em torno de um valor estável. No Amazonas, Distrito Federal, Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo o crescimento recente é observado fundamentalmente entre crianças (0-9 anos). Já entre os fluminenses também se observou aumento entre jovens adultos (20-29 anos).

O Pará apresenta sinal de crescimento em todas as faixas etárias, principalmente a partir de novembro. No Ceará, verifica-se situação similar, porém ainda incipiente. Nos demais estados, sete apresentam sinal de queda na tendência de longo prazo (Alagoas, Goiás, Mato Grosso, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Sergipe) e quatro (Alagoas, Minas Gerais, Paraíba e Rio Grande do Norte) têm sinal de crescimento apenas na tendência de curto prazo (últimas 3 semanas). No entanto, todos estão em situação compatível com oscilação em torno de valor estável. Em Minas Gerais o crescimento recente está concentrado fundamentalmente em crianças (0-9 anos).

 

 

 

Capitais

A análise conclui que 13 das 27 capitais apresentam sinal de crescimento na tendência de longo prazo (últimas 6 semanas): Aracaju, Belo Horizonte, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Macapá, Manaus, Natal, Porto Velho, Rio de Janeiro, Salvador, São Luís e São Paulo. No entanto, Gomes explica que, “assim como foi destacado para os estados, a análise da evolução temporal por faixa etária sugere tratar-se apenas de crescimento leve compatível com oscilação ao redor de patamar estável, de modo geral. No Rio de Janeiro observa-se que o crescimento ao longo do mês de novembro se concentrou nas crianças e jovens adultos (20-29 anos)”.

O crescimento nos casos de SRAG entre jovens adultos cariocas pode estar associado ao aumento de casos de síndrome gripal causados pelo vírus influenza A (gripe). Gomes, no entanto, destaca que para avaliação adequada dos resultados laboratoriais associados a casos recentes é necessário aguardar algumas semanas para que essa informação seja atualizada no Sivep-Gripe pelas autoridades de saúde responsáveis (unidades de saúde da notificação ou secretarias de Saúde). Até o princípio de novembro manteve-se presença majoritária de casos associados ao vírus Sars-CoV-2 (Covid-19) nessa faixa etária, bem como nos demais adultos.

O pesquisador afirma que em quatro capitais há sinal de queda na tendência de longo prazo: Belém, Campo Grande, Goiânia e Porto Alegre. E outras quatro apresentam sinal de crescimento apenas na tendência de curto prazo (últimas 3 semanas): Plano Piloto e arredores de Brasília, Cuiabá, João Pessoa e Porto Alegre.

Fonte: Agência Fiocruz de Notícias e Folha de S.Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *